Tomate da safra verão inicia florescimento e exige atenção ao manejo


De setembro a novembro, regiões do Brasil que produzem tomate da safra de verão vivenciam o período de florescimento da cultura. A fase está diretamente ligada à rentabilidade do produtor. Isso porque é por meio das flores que a quantidade e qualidade dos frutos do tomateiro são definidas. Neste momento, adversidades como excesso de temperatura e umidade podem causar o desequilíbrio fisiológico da planta, podendo levar à queda das flores e, consequentemente, trazer prejuízos ao agricultor.

Para superar esses desafios e potencializar os resultados na colheita, o consultor de tomate João Roberto do Amaral Júnior, que atua na região de Campinas (SP), indica aos produtores atenção para uma adubação adequada, para que a planta consiga equilibrar os micronutrientes. Além disso, recomenda o uso de aminoácidos, via fertirrigação e pulverização, e a aplicação de precursores do metabolismo vegetal. “Isso vai favorecer um maior pegamento e também o aumento da divisão celular, que acarreta um tamanho maior do fruto”, relata.

O engenheiro agrônomo Marcos Revoredo, gerente técnico especializado em hortifrúti da Alltech Crop Science, explica que o uso dessas soluções promove uma redução do estresse fisiológico da planta e uma melhor regulação do fluxo de seiva do vegetal. “Assim, o cultivo se desenvolve de forma mais equilibrada e consegue destinar os nutrientes e a energia de forma mais equilibrada para a formação e viabilidade das flores, impactando em um maior número e padronização dos frutos”, afirma. Entre os elementos essenciais no florescimento do tomate, o especialista destaca o ferro, o manganês e o cobre, que contribuem para a formação dessas estruturas reprodutivas.

Segundo Júnior, os agricultores que adotaram em suas práticas o uso dessas ferramentas observaram resultados importantes no tomateiro. “Desde que começaram a ser utilizadas essas soluções, os produtores não admitem mais o manejo nutricional da planta sem esses produtos. Eles foram incorporados ao tratamento devido aos bons resultados em relação ao que o mercado exige”, destaca o consultor.

5 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Associação Comercial dos Produtores e Usuários da CEASA Grande Rio e São Gonçalo

Irajá: Av. Brasil, 19.001 - Pav. 43 - Cab. Sul - (21) 3371-0122 / 3371-0156
Colubandê: Rodovia Amaral Peixoto Km 9,5 - Pav. E - (21) 2601-5994