Receita de exportação de carne de frango para principais países do Oriente Médio caiu de janeiro a m


O acumulado das exportações de carne de frango de janeiro a maio deste ano para os principais parceiros comerciais do Brasil no Oriente Médio mostrou recuo no faturamento, em comparação ao mesmo período de 2019. No caso de alguns países, a queda na receita no acumulado dos primeiros cinco meses do ano passa de 22%. De acordo com Tamer Mansur, secretário-geral da Câmara de Comércio Árabe-Brasileira, a expectativa é de que o segundo semestre seja de melhores resultados, mas ainda é cedo para prever quanto o comércio com o Oriente Médio deva aumentar.

De acordo com dados da plataforma ComexVis, do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, a arrecadação com a exportação de carne de aves para a Arábia Saudita caiu 21,6% de janeiro a maio. O país representa 11% da fatia do comércio exterior do produto brasileiro. 

Conforme dados fornecidos pela Câmara de Comércio Árabe-Brasileira, a queda de receita nas negociações com o país foram recorrentes desde o início do ano, e acentuadas em maio. O recuo se acentuou justamente no mês de maio, quando comparados os US$ 76.759.410 faturados no ano passado para US$ 40.736.567 este ano, retração de 46,92%.

De acordo com Mansur, a Arábia Saudita tinha um estoque grande do produto no final do ano, e vinha se preparando para fortalecer a produção local de aves. Entretanto, com a pandemia do coronavírus, o planejamento foi frustrado. A expectativa, de acordo com o secretário-geral é de que o país comece a aumentar as importações de alimentos, de uma forma geral, tanto do Brasil como de outros países.


No caso dos Emirados Árabes Unidos, que atualmente representam 8,3% das aquisições de carne de aves do Brasil, a diminuição da receita com as vendas para o país foi de 22,7% no acumulado de janeiro a maio de 2020, em comparação ao período do ano passado.

A redução na receita ficou mais acentuada no mês de março, 33,14% a menos, quando comparados os US$ 60.820.676 faturados no mês em 2019 contra os US$ 40.663.626 arrecadados este ano. 

Mansur afirma que o turismo no país foi gravemente afetado pela pandemia do coronavírus, o que reduziu a demanda pelo produto. Além disso, os Emirados Árabes estavam se consolidando como um hub logístico que importava a carne de frango e reexportava com valor agregado ou reprocessada. A pandemia também afetou estes outros países parceiros, o que contribuiu para o recuo na busca pelo produto brasileiro.

O faturamento com a venda de carne de frango para Omã foi de 19,2% no acumulado de janeiro a maio deste ano, e para Mansur, a queda no movimento turístico no país é um fator importante, somado à questão do preço do petróleo, que comanda a economia dos países do Golfo, como Omã e Arábia Saudita. 

O valor arrecadado com as vendas para o país este ano foi menor no mês de maio, comparando os US$ 11.364.248 de receita no ano passado com os US$ 7.391.184 este ano, o que mostra recuo de 34,96%.

0 visualização

Associação Comercial dos Produtores e Usuários da CEASA Grande Rio e São Gonçalo

Irajá: Av. Brasil, 19.001 - Pav. 43 - Cab. Sul - (21) 3371-0122 / 3371-0156
Colubandê: Rodovia Amaral Peixoto Km 9,5 - Pav. E - (21) 2601-5994