Nesta oitava edição especial temática de “Coronavírus e o Agronegócio”, pesquisadores da equipe Hort



Em abril, mesmo com a menor demanda devido à quarentena, o preço médio da batata lavada, ponderado pela classificação, fechou em R$ 101,00/sc, valor 37% acima dos custos de produção (RS 73,80/sc) e 38% superior ao de março. A oferta limitada, em decorrência da proximidade do final da safra das águas, foi o que garantiu a valorização e a rentabilidade positiva aos produtores – se não fossem os reflexos da pandemia, certamente os preços atingiriam níveis ainda maiores.

Em Cristalina (GO), a rentabilidade foi mais de 100% positiva nesse último mês, favorecida pelos bons níveis de chuvas durante o desenvolvimento das lavouras e pelo controle fitossanitário, que resultou em aumento de 39% na produtividade em relação a março. Já na região de Água Doce (SC), a estiagem reduziu 26% da produtividade na mesma comparação, uma vez que a maior parte das áreas não possui um bom sistema de irrigação – ainda assim, houve margem positiva, de 74%.

PERSPECTIVAS – Em maio, os preços devem se manter em patamares elevados, uma vez que a safra das águas praticamente se encerrará, enquanto a temporada das secas deve ofertar apenas 10% do total das áreas. Além disso, é prevista quebra de safra nas regiões paranaenses e gaúchas, devido à escassez hídrica no desenvolvimento das lavouras, o que pode manter a oferta controlada.

3 visualizações

Associação Comercial dos Produtores e Usuários da CEASA Grande Rio e São Gonçalo

Irajá: Av. Brasil, 19.001 - Pav. 43 - Cab. Sul - (21) 3371-0122 / 3371-0156
Colubandê: Rodovia Amaral Peixoto Km 9,5 - Pav. E - (21) 2601-5994