Melão: Aumento de área pode não acontecer no Vale


Contrariando as perspectivas iniciais, o incremento de área de melão pode não acontecer no Vale do São Francisco (BA/PE) nesta safra – que está sendo colhida desde abril e deve se estender até julho. Isso porque, além de as chuvas mais frequentes dificultarem o plantio nos primeiros meses do ano, principalmente em março, as incertezas quanto ao mercado, em decorrência da pandemia do novo coronavírus, afetaram novos cultivos.

Desde o início do isolamento social, a comercialização da fruta local tem sido dificultada, principalmente para o Sudeste, uma das regiões mais afetadas do Brasil. Assim, as vendas da fruta embalada se reduziram, com maior intensidade em abril – no período, houve desvalorização do melão frente a março, mesmo diante da oferta controlada (vale lembrar que o RN/CE está em entressafra e que o Vale não tem grande volume no momento).

Ao comparar os preços atuais com os do ano passado, a queda é ainda maior: para o melão amarelo tipo 6 e 7, o valor médio de abril foi de R$ 29,71/cx de 13 kg, recuo de 15% em relação ao mesmo mês de 2019. Já para o amarelo vendido a granel, os preços estiveram 32% inferiores na mesma comparação, registrando média de 1,09/kg.

Para maio, o mercado de melão ainda deve ser difícil, devido ao clima mais frio, que naturalmente afeta o consumo dessa fruta considerada refrescante, e à redução da renda do consumidor.

1 visualização

Associação Comercial dos Produtores e Usuários da CEASA Grande Rio e São Gonçalo

Irajá: Av. Brasil, 19.001 - Pav. 43 - Cab. Sul - (21) 3371-0122 / 3371-0156
Colubandê: Rodovia Amaral Peixoto Km 9,5 - Pav. E - (21) 2601-5994