Hortifruti: Qual o impacto da economia no setor de HF, diante da pandemia?



Após a recessão econômica brasileira de 2015/16, o Brasil caminhava, aos poucos, para uma recuperação. Assim, 2020 seria o ano da retomada, após a aprovação da Reforma da Previdência em 2019 e de uma agenda repleta de outras medidas para estimular os investimentos. No entanto, o Estado mais enxuto e uma atividade econômica privada ativa (via investimentos) ficaram para trás, com a chegada da pandemia de covid-19, a partir de março de 2020.

Desde então, a pauta mudou e o governo precisou ampliar os gastos, para não só tentar "segurar" a economia (por meio do auxílio emergencial), como também para conter a epidemia e salvar vidas (por meio de uma injeção financeira na área da saúde pública). Mesmo com esses esforços, as restrições decorrentes das medidas de quarentena (fechamento de estabelecimentos e redução da mobilidade das pessoas), para conter a disseminação do coronavírus, impactaram severamente na atividade econômica.

O dólar subiu, o desemprego aumentou e o consumo das famílias, bem como o investimento privado, se retraíram significativamente. E, sem dúvida, essa conjuntura econômica desfavorável, que já refletiu no setor de HFs, continuará. Assim, a edição de setembro da revista Hortifruti Brasil tem como foco avaliar o impacto desse contexto econômico sobre a cadeia de frutas e hortaliças, por meio de três variáveis importantes: dólar, juros e PIB/renda.




O tempo de duração da quarentena – maior que o previsto – agrava ainda mais os indicadores econômicos. Isto porque o fim da pandemia ainda é incerto, já que, provavelmente, ocorrerá somente após a descoberta de uma vacina (com previsão para o início de 2021) ou de um remédio eficaz. Se confirmada essa previsão, o Brasil pode ter números melhores a partir do segundo trimestre de 2021.

Até lá, o mais provável é ocorrer uma maior flexibilização dos estabelecimentos, mas com restrições, ou seja, o cenário ainda não será muito favorável. Diante disso, avaliar os impactos desde já é de suma importância para o planejamento dos hortifruticultores.

0 visualização

Associação Comercial dos Produtores e Usuários da CEASA Grande Rio e São Gonçalo

Irajá: Av. Brasil, 19.001 - Pav. 43 - Cab. Sul - (21) 3371-0122 / 3371-0156
Colubandê: Rodovia Amaral Peixoto Km 9,5 - Pav. E - (21) 2601-5994