Exportação de ovos e ovoprodutos em julho e no acumulado do ano


As dificuldades causadas pelos desdobramentos em relação ao vírus pandêmico da Covid-19 continuam presentes e afetando os embarques de ovos e ovoprodutos.

Em julho o volume exportado atingiu apenas 774 toneladas e significou receita de 3,065 milhões de dólares, equivalendo a quedas de 54,5% e quase 45% em relação ao mesmo período do ano passado, respectivamente.

Por ora, o acumulado nos primeiros sete meses deste ano indica volume de 7,941 mil toneladas e equivale a 47,7% de redução sobre o mesmo período de 2019. A receita auferida no período corresponde a 27,302 milhões de dólares e representa 42% de redução sobre o mesmo espaço de tempo do ano passado.




O plantel visivelmente crescente, o alto custo de produção pelo expressivo avanço nos preços das matérias-primas, os baixos preços de comercialização dos ovos no mercado interno e a incapacidade do consumidor em adquirir todo o produto disponibilizado, impõe aos produtores a necessidade de buscarem mais efetivamente o mercado externo.

Muitos empresários e analistas apontam há tempos que o Brasil tem condições de se tornar um grande fornecedor global do produto. Entretanto, é preciso dar passos maiores para atingir esse objetivo e isso também se traduz em investimento, como disse um empresário do setor.

E a Associação Brasileira de Proteína Animal juntamente com o Instituto Ovos Brasil estão preparados para dar o respaldo necessário para que isso se torne realidade no tempo oportuno.

1 visualização

Associação Comercial dos Produtores e Usuários da CEASA Grande Rio e São Gonçalo

Irajá: Av. Brasil, 19.001 - Pav. 43 - Cab. Sul - (21) 3371-0122 / 3371-0156
Colubandê: Rodovia Amaral Peixoto Km 9,5 - Pav. E - (21) 2601-5994